Por Lilian Mallagoli

Ontem, conversando com minha querida amiga Carina, soltei a frase: “Desculpe não ter pago antes” (porque quem não deve, não teme, né, gente?), ao que ela respondeu: “Imagina, podia ter pagado em agosto” (pois, tenho crédito na praça).

As duas usaram o verbo “ter” antes do particípio de “pagar”, mas cada uma empregou esse particípio de forma diferente – “pago” e “pagado”.

Por partes:

  • Particípio é o que está feito: é o pago, pagado, levado, impresso, registrado, ok?
  • E quem decide qual forma de particípio usar é o verbo que vem antes dele – por isso frisei aqui que nós duas usamos o “ter”. Então, alguém estava errada.

E era eu.

Abundâncias

“Pagar” é um verbo abundante – tem mais de uma forma para passar a mesma ideia, especialmente no particípio. Quer outros?

  • Ganhar – ganhado x ganho
  • Gastar – gastado x gasto
  • Acender – aceso x acendido
  • Aceitar – aceito x aceitado
  • Limpar – limpado x limpo
  • Imprimir – impresso x imprimido
  • Eleger – eleito x elegido (ano de eleições, vamos prestar atenção neste!)

E como sei quando usar o quê?

Pois segue aqui uma dica para você e eu nunca mais errarmos: o verbo to be.

To be: ser, estar

Sem grandes explicações gramaticais, considere o seguinte:

  • Se você usar “ser” ou “estar” antes do verbo (na verdade, se usar “ficar” também, então dá um jeito de decorar este à parte), use o formato irregular dele no particípio, que é o formato menos próximo dele no infinitivo – aceso, ganho, gasto, pago, limpo.
  • Se você usar outro verbo antes – os mais comuns que usamos são “ter” e “haver” -, na sequência vai entrar o formato regular do verbo no particípio – acendido, ganhado, pagado.

Portanto, eu não tinha pagado antes, mas agora está pago!

E, sim, isso existe: eu não tinha imprimido o comprovante, mas agora ele está impresso!