A Ventura Comunica mudou sua identidade visual: prestes a chegar aos seus oito anos de vida, a empresa ganhou novo logo e manual, para que fontes, cores e linhas sejam usadas respeitando o que ficou definido para traduzir a empresa neste momento.

Renovar a marca requer coragem porque há muito que fazer e para que olhar – não é só papelaria, site, todas as redes e assinatura de email. A coisa é mais profunda.

Renovar a marca exige autoavaliação: quem você acha que é, quem você é de verdade, quem você achou que seria a essa altura e quem você precisa, de fato, mostrar que é.

 

Por que mudar?

Nas três animações que publicamos sobre a mudança, falamos um pouco sobre esses motivos: aqui, aqui e aqui.

O logo anterior da Ventura foi criado em 2013, quando a empresa foi aberta, por colegas da Farol Editora, Marco Murta e Leandro Aranha – pessoas com quem até hoje compartilhamos trabalhos diversos, com muita alegria e honra. Lá atrás, quando a empresa era só uma pessoa com sonhos, eles lembraram que não seria possível emitir um recibo sem um papel timbrado, e assim começou.

De repente, tínhamos uma marca, com aplicações para o positivo e o negativo, vinda direto das mãos deles – e ela mais do que supriu seu propósito nesses oito anos.

Mas as pessoas mudam, as empresas mudam, expectativas e objetivos também, e tem uma hora que você olha para os símbolos e desenhos que te traduzem e diz: eles precisam mudar!

Além disso, o mercado muda, as fontes e cores mudam, as preferências e tonalidades, o uso ou não de serifas, enfim… É preciso se atualizar, se modernizar, e isso é bom.

 

Nós amamos conteúdo

Para definir uma nova marca, você precisa olhar pra dentro da atual e fazer uma verdadeira terapia – dividida em várias sessões. Sua marca tem a ver com o trabalho que você desenvolve, os sucessos que teve, as batidas na contramão, os desejos que realizou e os que ainda estão na lista.

Quando você decide traduzir sua empresa para o mundo, você precisa definir e aceitar condições que, na rotina, ficam escondidas. Você precisa se assumir profissionalmente mais do que talvez o tenha feito até aquele dia.

Então, além das organizações de prazos, novos materiais, ordem de produção e aprovações, é preciso chegar a um acordo sobre sua identidade corporativa. E, para isso, é preciso coragem.

Assim, após todas as sessões de terapia necessárias, em que indecisões e questionamentos são escancarados, você se sente (pelo menos, mais um pouco) mais maduro para encarar o mundo e se apresentar com honestidade e transparência sob uma nova marca. Não somos mais uma pessoa com sonhos, somos algumas delas.

Optamos por manter o roxo que já existia na marca anterior, mas com nova definição na paleta de cores.

Optamos por deixar completamente traduzido o quanto amamos conteúdo – criamos o dia inteiro, em textos, além de imagens e vídeos e, sim, é o que sabemos fazer e defendemos com vigor.

Nossa marca tinha, então, que ser moderna, mas simples: escrever é um ato humano, dinâmico, vivo. Traços e grifos e marcações simulando o feito manual entraram no jogo.

E, assim, ela nasceu das mãos do Lucas DeMiranda.

Bem-vinda, nova marca, e que nos traga ainda mais alegria e satisfação com nosso trabalho!

Mudança de marca: a coragem de (re)começar