A vírgula é uma das pontuações que as pessoas têm dificuldade para usar ou simplesmente usam errado: quando precisam empregá-la em uma oração, usam demais, como se tivesse uma caixinha com vírgulas e pontos para sair distribuindo em um texto; outros têm medo de usar, e algumas frases ficam com duplo ou dúbio sentido. Basta navegar pelas redes sociais para perceber erros nas legendas de posts ou nos comentários.

A vírgula é usada para organizar uma frase ou período; porém, em alguns casos, ela acaba sendo empregada de maneira errada em uma oração ou texto – especialmente quando usada a mais. Por exemplo, não deve haver vírgula separando o sujeito e o predicado da frase, muito menos os termos complementares, como verbos e objetos direto e indireto.

Mas como identificar rapidamente o sujeito e o predicado?

Eles são as partes mais importantes de uma oração. O sujeito é responsável por realizar ou sofrer a ação do verbo – de forma resumida é o principal, aquele que está fazendo alguma coisa, ou recebendo a ação, e é com ele que o verbo concorda. Já o predicado é o que acontece com o sujeito, normalmente formado pelo verbo ou uma locução verbal; também pode ser dividido em nominal, verbal e verbo-nominal.

Por isso, a vírgula no título deste texto está errada. “Esta vírgula” é o sujeito, e “está errada” é o predicado.

O ponto e vírgula também gera algumas dúvidas sobre quando deve ser usado. É importante ressaltar que não é usado para substituir a vírgula. Essa pontuação serve para indicar que há uma pausa menor que a do ponto final e maior do que a de uma vírgula. Emprega-se o ponto e vírgula para separar orações coordenadas que não estão unidas por conjunção, mas que tenham relação entre si; e para separar orações coordenadas, quando uma delas têm elementos separados por vírgula. Mas este é assunto para um próximo texto…